Páginas

domingo, 4 de setembro de 2011

O outro lado de Phnom Penh (english)

Esse talvez seja o último post diário, já que começo a trabalhar na 2a e pode faltar tempo pra organizar idéias, fotos e postar. Mas vou tentar manter o mais freqüente possível, prometo.

This should be my last daily post since I start working on Monday and I might have lack of time to organize my ideas, photos and posts. However, I'll do my best to keep it updated.

Comecei ontem, 03/09, bem cedo, o sono acabou por volta de 3h da manhã, ainda não adaptado ao fuso. Aí fiquei na internet, li, falei com a minha família e a Cá e esperei o cara da TV a cabo vir arrumar o sinal que não estava muito bom. Depois saí pela cidade e dessa vez decidi fazer um roteiro pela região do rio Mekong. Como tinha prometido, logo vi um cruzamento caótico e decidi parar para filmar, vejam aí:

I woke very early yesterday, 03/09, around 3 am since I'm not adapted to the timzone difference yet. Then, I got into the internet, read, spoke to my family and Cá and waited for the cable TV guy to show up and fix the signal. After, I wen throught the city and this time I decided to head for the Mekong's river region. As I had promissed earlier I filmed a crossing street, take a loook:


video

Depois disso, fui em direção à Samdach Preah Sihanouk Boulevard, uma das avenidas principais que passam aqui perto. Acabei descobrindo uma Pnohm Penh (diz-se pom-pen) diferente, bem mais turística do que até agora. Fotos:

After, I went through Samdach Preah Sihanouk Boulevard, one of the major avenues here nearby. I've accidentally discovered a diferent Phnom Penh (pronounce like pom-pen), much more touristic. Pics:


Esse monumento foi construído pra comemorar a Independência da França em 1953. É bem bonito e fica ainda mais de noite, quando é acesa a iluminação e também as fontes em volta, que mudam de cor.

This is the Independence Monument to celebrate the independence from the French in 1953. It's very nice and gets better at night when the special lightning and water fountains turn on.




Nesse caminho também vi um prédio da PwC. Várias casas grandes e bonitas. E também um hotel cassino gigante chamado Naga World.

During this way I saw a PwC building, big and fancy houses and also a giant casino hotel called Naga World.

Cheguei até perto do rio e vi duas pontes bonitas. No caminho para acesar uma delas, vi essa placa abaixo:

Close to the river I saw two pretty bridges. On the way to get access to them, I saw the below sign:

Como dá pra notar, o local em questão Diamond Island, irá passar por um enorme desenvolvimento imobiliário. Em alguns anos, essa região vai ficar totalmente diferente. Várias e enormes torres de apartamentos e escritórios estão para surgir.

As you can notice the place called Diamond Island is about to get through intensive Real Estate development. In the next years this region should become totally different. Large and numerous towers of apartments and offices are about to be built. 

Entrei na ilha e pude notar o que já foi feito. Toda a parte de frente para o canal cheia de lojas e estabelecimentos de fast food. Também, atrás, um grande centro de convenções.

After some steps in the island I could already face what has been done. All the riverfront area it's full of stores and fast food restaurantes. Behing, a big convention centre. 


Continuei andando debaixo do sol escaldante e achei o outro lado da ilha, dava pra ver o Rio Mekong. Simplesmente gigantesco, proporções amazônicas provavelmente.

I kept walking under the extremly hot sun and I've found the island's other shore which I could see the Mekong river. Giant, amazonic proportions probably. 

Bom, depois disso voltei todo o caminho até a cidade. Aí comecei a subir a margem do rio. No caminho, muitos resorts enormes.

After that I cam back all the way to town and when walking through the rivefront I saw lots of huge resorts. 

Logo na seqüência vinham alguns dos maiores pontos turísticos daqui. O palácio do Rei Sihanouk, dentro dele a Silver Pagoda e também o Museu Nacional do Camboja. Nos dois primeiros não deu pra ir porque estavam fechados com a visita do presidente do Laos. De qualquer forma tirei foto das fachadas.

In the sequence there were some of the major touristc spots. Sihanouk's palace and, inside, the Silver Pagoda and also meters ahead the Cambodian National Museum. The palace and the Pagoda I could not visit becouse it were closed to the Laos' president visit. Anyway, I took some pics of the buildings. 




Logo na seqüência já ficava o Museu Nacional. Este deu pra entrar, mas não podia tirar fotos lá dentro, então tem fotos da fachada e também do jardim interno, único lugar fotografável. Custou US$ 3.

Then, I went through the National Musem. I could get it but I couldn't take pictures of the exhibition inside therefore I just have photos of the front side and the gardens. It cost me US$3. 






Vale dizer que essa região estava infestada de turistas estrangeiros, principalmente franceses. Depois do passeio eu estava super cansado, com fome e com sede. Saí e procurei o primeiro restaurante que tivesse algum ar condicionado, achei o Treez. Infelizmente, o lado ruim é que era "caro".

This region was crowded with foreigners, specially french tourists. After walking so much I was very tired, hungry and thirsty. I left and looked for the first restaurant with air-con I could get it. I found the Tree. Unfurtunatelly it was "expensive". 

No cardápio várias comidas ocidentais baratas, mas eu queria experimentar comida local. Era mais caro mas ok. Pedi o Khmer Ambok. Vem arroz parecido com integral feito apenas com sal. No outro prato, algumas pimentas, tofu chinês, vagem, um negócio que nao entendi o que era, mas era um tipo de legume muito gostoso e um molho apimentado (médio). Gostei bastante. A bebida era o Honey Lemon Iced Tea. É muito bom e é um hit local, os nativos tomam muito. Dá pra fazer tranquilo no Brasil, é só misturar chá, mel, limão e gelo. Esta regalia me custou enormes US$ 5,50.

In the menu lots of Western food, but I was willing to try local cuisine. It was a bit more expensive but ok. I asked for Khmer Ambok. It looks like brown rice but cooked only with salt. In the other dish, some peppers, Chinese tofu, pod, and some other thing that I didn't recognize what it was but look like a legumen very tasty, and, a medium spicy sauce. The drink was Honey Lemon Iced Tea. It's very good and seems to be a local as I've saw locals drinking it. You can prepare it in Brazil easily, just mix tea, honey, ice and lemon. Total cost was US$5,50.

No caminho, tirei fotos da crianças. Eles sempre ficam felizes e agradecem.

In the way  back to home, I took a picture of some kids. They got happy and thanked me about.

Depois disso voltei pra casa tomei banho e fui visitar o Museu S-21 que retrata a época do genocídio. Foi uma experiência muito forte, um clima super pesado e triste. Não vou falar disso agora porque depois vou montar um post bem completo apenas sobre esse episódio que destruiu o país. Custou US$ 2.

After that I took a shower and went out again to visti S-21 Museum which shows exhbitions from the genocide time. It was very strong experice, unconfortable environment and very sad. I won't talk about that now since in the future I'll dedicate a full post about that episode that destroyed this country. It cost US$ 2.

A partir daqui, não tenho mais fotos porque acabei deixando a câmera em casa. Voltei pra casa, tomei outro banho e fiquei esperando o Panha passar pra me buscar pra irmos jantar. Com ele veio o Eric, trainee chinês de Guangzhou, perto de Hong Kong e 2,5 horas daqui. Eric é super magro, alto, fala mandarim, cantonês e inglês, estuda economia em Beijing (Pequim) e também veio ficar 1 ano aqui em Phnom Penh. Ele é extremamente engraçado e divertido, quebrando meu estereótipo de chinês. Fomos no carro do Panha e a todo momento fazendo piadas, brincando com a pronúncia das palavras e também com o trânsito caótico daqui.

From now on I don't have pictures because I left my camera at home. I went to home again, took another shower and I kept waiting for Panha to pick me up so we could inner. With him came Eric, Chinese trainee from Guangzhou, near Hong-Kong and 2.5 airplane hours from here. Eric's really thin, tall, and speaks Mandarin, Cantonese and English, he studies Economics in Beijing and also came to stay for a year here in Phnom Penh. He's extremly funny and happy, breaking the Chinese stereotype. I wen to Panha's car and all the moment making jokes and kidding with the words pronounce as also the caotic traffic here. 

Chegamos na Universidade do Panha. Aqui encontramos muitas pessoas da AIESEC. Logo o pessoal nos rodeou e começou a fazer um monte de perguntas. Todos falam inglês fluente muito bom, provavelmente têm aulas desde crianças e sim estamos falando com a elite nativa. A maioria deles têm cara muito nova e são magros também mas muitos já terminaram a 1a graduação e estão fazendo a 2a. Disseram que era pra "make it hard", ou seja, um desafio. Encontrei mais duas CEEDers (pra quem é de fora da AIESEC, simplificando significa pessoas que estão fazendo uma espécio de intercâmbio por dentro da própria organização. Geralmente dura até 2 meses e as pessoas buscam aprender ou levar um conhecimento específico de um escritório para outro) do Japão, ambas falavam inglês muito bom e conheciam o Shun Takahashi, japonês que chegou a ficar na minha casa em SP por quase 2 meses em 2008 e que abriu um ótimo relacionamento entre o nosso escritório da USP e o da University of Tokyo. Mundo pequeníssimo! Passado um tempo, fomos para o carro em direção ao Riverfront, que nada mais é do que avenida que margeia o rio Mekong. Incrível! A cidade se transforma a noite! Era minha prmeira vez andando a noite então tudo era novidade. Muitas luzes, muitos bares, restaurantes, cafés, tinha até o Night Market que disseram vende todas as comidas estranhas como aranhas, grilos, escorpiões e por aí vai. Do lado do restaurante Titanic, que tem uma varanda sobre a água, tinha um pequeno cais. Lá também encotramos o Patrocínio (Patro), que é trainee mexicano e veio pra dar aulas de inglês por 1 ano também. Logo que ele chega já veio abraçando todos, falando alto e fazendo piadas. Verdadeiro sangue quente latino e perto dele me senti um alemão. Cara super gente fina, de repente ele começa a falar em português comigo, em mandarim com o Eric, em japonês com as meninas e khmer (diz-se "ka-máe") com os locais. =O Nunca vi alguém no mundo com tanta facilidade linguística! Ele ainda sabe falar coreano e francês, além é claro do espanhol e do inglês!! Provavelmente até o final do intercâmbio vai estar falando khmer fluente!

We went to Panha's University. There we've found lots of AIESEC people. Soon, they surrounded us and started asking lots of questions. All of them speak fluent English and probably took classes since they were kids and yes I think we're talking with the local elite. The majority have are pretty young and they've already finished their first grad and are enrolled in the second one. They've told me it was to make it hard, thus a challenge. I found two CEEDErs (to non-AIESECErs: CEEDer means someone that enrolls a kind of AIESEC's intern exchange when people go from one office to another to offer or take some help. It usually lasts not more than 2 months) from Japan, both very good English speakers and they knew Shun Takahashi, the Japanese that lived in my house for almost 2 months in 2008 and that opened a good relationship between our USP office and the University of Tokyo. Small world! After sometime we went to the riverfront. Incredible! The city transforms at night! It was my first time walking at night and thus everything was new. Lots of lights, bars, restaurants, cafes, and even the Night Market which people told me you can get weird food like spiders, crickets, scorpions and so on. Close to the Titanic restaurant, which has a balcony over the water, there was a small wharf. There, we also found Patrocinio (Patro), who is a Mexican trainee and came to teach English to kids for 1 year too. As he got there soon he was hugging everyone, speaking out loud and making jokes. Trully warm Latin blood and close to him I was looking like a German. Very nice guy he soons starts to speak Portuguese with me, Mandarin with Eric, Japanese with the girls and Khmer (ka-máe) with the locals. =O I've never seen so multi language person! He also speaks Korean, Frnech and of course, Spanish and English!! Probably, at the end of his exchange he will be speaking Khmer fluently.

Entramos todos num grande barco que foi seguindo pra dentro do rio. Como a largura do rio é enorme, pudemos distanciar bastante da cidade. Lá, começamos a comer uns lanches que o pessoal tinha trazido, não sei do que era exatamente mas tinha vários legumes no meio, muito bom. No meio do rio, o barco apagou todas as luzes e daí a gente pode admirar as estrelas, a lua e as luzes da cidade. Sensacional. Voltamos pro cais. Esse passeio durou em torno de 1h e custou US$ 2.

We all got into the big boat which headed to middle of the river. Since the Mekong is really big, we could get vary far from the city. There, we started to take some sandwiches that AIESEC people brought and I don't know exactly what kind of legum was inside but it tasted very good. In the middle of the river, the boat turned off the lights and then we could look to the stars and the city lights. Awesome! we got back to the wharf. This tour last for 1 hour and cost like US$2.

Nos despedimos da maior parte das pessoas porque "já era" 20h e os pais já estavam ligando, sim, as pessoas aqui funcionam de forma totalmente diferente do Brasil. Patro nos convidou para um churrasco em que a Ruth, trainee da Espanha que também dá aulas de inglês, já estava. Conseguimos convencer o Panha a ir e fomos eu, Eric, Patro, Sothea e Panha. Chegando lá havia um bando de europeus e americanos bêbados. Entramos cumprimentamos algumas pessoas e conversamos um pouco com a Ruth. Aí aconteceu uma coisa super chata. O Panha perguntou pro Patro onde era o banheiro. Aí o Patro foi levá-lo. Nisso, o Patro virou pro dono da casa, que deveria ser americano, e perguntou se tudo ok de ter levado o Panha no banheiro. O cara falou "No, not cool at all, it's my house!". Eu fiquei muito puto com isso, mas fiquei na minha porque de qualquer forma era a casa dele mesmo, a gente não conhecia ninguém e tinha acabado de chegar. Dei a idéia de irmos embora para um bar. Fomos lá na Diamond Island e tivemos uma experiência super legal. Nós 5 na mesa, pedimos uma torre de Angkor Beer e alguns petiscos (extremamente apimentos mas só eu achei isso), acabamos ganhando de graça uma jarra extra. A cerveja é fraca algo parecido com uma Skol mais aguada. Aqui é normal colocar uma enorme pedra de gelo no copo e eu segui esse costume porque a cerveja vinha pouco gelada. Ficamos bastante tempo no bar, conversando sobre tudo, Camboja, Brasil, China. Comentamos o quanto a cidade estava cheia de obras e gruas de grandes prédios. Os nativos disseram que muito dinheiro está entrando, vindo de investidores chineses, coreanos, russos, japoneses e malaios. Como eu já havia notado, a cidade está passando por mudanças. Eric disse inclusive que se tudo andar legal pretende ficar até mais 5 anos por aqui. Disse também que quando era criança havia muito pouco desenvolvimento na China e que rapidamente começaram a surgir arranhas-céus e infra-estrutura. Filosofamos um pouco sobre este ser o momento do Camboja se desenvolver e recomendamos os nativos a comprarem terrenos e ações das empresas estatais de infra-estrutura. Mais conversa e piadas. Fiquei impressionado a hora que disseram que Beijing e Ciudad del Mexico tem uma vasta malha de metrô que custa entre US$ 0,20 e 0,30 e São Paulo custa em torno de US$ 2, quase o mesmo que Tokyo. Enfim, depois fomos embora. Ficou em US$ 2 por pessoa.

We've said goodbye for most of the people since it was 8 pm and their parents were calling, which is totally different from Brazil. Then, Patro invited us to go for a barbecue with Ruth, Spanish trainee who's also teaching English to kids. When we got there there was a lot of drunk Europeans and Americans. We've said hello to some of them. Then a unconfortable situation happened. Panha asked Patro about the toilet. Then, Patro took him there and after he asked the house's owner if it was ok to do that. Then the guy replied "No, not cool at all, it's my house!". I got very upset with that but I didn't say anything since it was his house, we didn't know almost anyone and we just got in. I gave the idea to get out and head for a bar. We went to the Diamond Island and had a very nice experience. We were 5 in the table and asked for an Angkor Beer tower and some appetizers (extremly spicy but I was the only one complaining about that), we took another beer jarr free too. The beer tastes like Skol, but with more water. Here is quite normal to put some big ice rocks in the beer. We stayed there for very long talking about everyhting, Cambodia, Brasil, China. We highlighted how the city was full of construction work places of big buildings. The natives told us there was a lof of money flowing in coming from Chinese, Koreans, Russians, Japanese and Malay investors. As I had previously noticed the city is going through some big changes. Eric told us that he's willing to stay for more 5 years in Phnom Penh if everything goes well and that China's cities looked like Phnom Penh when he was a kid but quickly became to build a lot of infra-structure and skyscrapers. More talking and jokes. I got very impressed when they have told me that Beijing and Ciudad del Mexico subways were widely spreaded and it costs like US$0,20-0,30 yet in Sao Paulo costs like US$2 which is the same as Tokyo. Well, finally we left and paid like US$2/person.

Depois disso me deixaram em casa. Eu pesquei várias vezes no caminho, estava morrendo sentado. Cheguei e capotei.

After that I arrived at tome and slept as soon as I got to bed.

Abraçao!! :)

Cheers! :)

2 comentários:

  1. Sensacional! Os dois monges de sombrinha e a pé deram um toque especial no video! Adoro..
    TV a cabo, carro, pratos limpos... tudo bem, ainda é só o começo, mas quero ouvir histórias de barraquinhas na rua com "temperos especiais" e sei la mais o que que possa ser típico da plebe!
    Dúvida: não pode ir no banheiro na casa dos outros?

    ResponderExcluir
  2. huahuhuahua.. boa Dani! fato, os temperos especiais vao aparecer sim.. to só me aclimatando ainda! até pq eles sao bem mais baratos do que os restaurantes! quanto ao negocio do banheiro.. pois é! é meio que choque cultural reverso isso.. porque o povo local é super aberto e flexível e tudo, aí vc encontra um gringo rosado chiliquento.. vai entender.. :S

    ResponderExcluir

Por favor, deixe seu email no comentário para que eu possa entrar em contato com você! :)

Please, leave your email address in your comment so I can get back in touch with you! :)